Home » Matérias » Aplicativos renovam relação dos usuários com o transporte por ônibus

Aplicativos renovam relação dos usuários com o transporte por ônibus


Edição nº 97

15/03/2017

Por Juliana Marques

Nos últimos 20 anos, a sociedade acompanhou os avanços tecnológicos nos mais diversos setores e, para a maioria dos empresários, aderir a estes avanços passou a ser quase uma obrigação. Em um primeiro momento, as pessoas exploraram as novidades estimuladas pela curiosidade, pela vontade de verificar suas funcionalidades.Passado esse período, começa o processo de migração para o novo mundo, que oferece mais facilidades e exige, cada vez mais, qualidade e eficiência na prestação de serviços; e os aplicativos desenvolvidos exercem papel fundamental nesse propósito.

A Fetranspor tem acompanhado essa evolução e tem sido incansável na busca por soluções que beneficiem a mobilidade urbana. Um dos marcos dessa visão de futuro foi a criação do aplicativo Vá de Ônibus, em 2007.

Ilustração: Vlad Calado

Vá de Ônibus é reformulado

Atualmente, o Vá de Ônibus atende mais de 2,5 milhões de usuários, direta e indiretamente, por mês. A plataforma acaba de passar por uma reformulação para oferecer aos clientes o que pode ser considerado o valor mais precioso no transporte por ônibus: a previsibilidade de chegada dos ônibus em tempo real.

“Assumimos a responsabilidade de melhorar a qualidade da informação da nossa base de dados, pois nosso papel é de liderança. As empresas possuem um bom material e o papel da Federação é conciliar, consolidar, unificar e dar transparência a esse conteúdo, para que seja útil ao usuário final e às melhorias da mobilidade e do negócio. Essas ferramentas chegaram para ficar”, diz Guilherme Wilson, gerente de Planejamento e Controle de Operações da Fetranspor.

 

Serviço competitivo

A precisão das informações do novo Vá de Ônibus é resultado de um trabalho contínuo. “O aplicativo tornou-se o principal sistema de informações do transporte público por ônibus do Estado do Rio de Janeiro compartilhando sua base de dados diretamente com empresas como Google, Microsoft, Apple e Moovit. Ainda existem informações dispersas de alguns municípios, porém estamos no processo de recadastramento e contamos muito com a colaboração de todas as empresas filiadas para concluí-lo. Reunir esse material e mantê-lo atualizado serão os grandes desafios”, diz Andherson Ojeda, analista de Sistemas da Fetranspor.

De acordo com a Federação, até o momento, 1.808 linhas e 18.426 pontos de ônibus estão cadastrados, e mais de 5.500 quilômetros são monitorados em tempo real pela Fetranspor. Informar a localização do ônibus permitirá que as pessoas se programem e empreguem o tempo em que estariam no ponto em outras atividades. Tal previsibilidade deixa o transporte por ônibus mais competitivo com os outros modais. Para o empresário, essa possibilidade representa aumento da confiabilidade do seu negócio e, consequentemente, o aumento da demanda e da melhoria da percepção sobre a qualidade da sua prestação de serviço.

 

Roteando a informação

A nova interface do aplicativo possibilita maior interação e mais dinamismo na sua utilização. “Mudamos o Vá de Ônibus para melhor atender nossos clientes. Além dos itinerários, o aplicativo identifi caos melhores trajetos de um ponto ao outro, os valores das tarifas, a posição do veículo em tempo real e o tempo gasto em cada percurso, para os veículos e as linhas que disponibilizam atualmente essas informações. Está incluído, ainda, o tempo de deslocamento a pé até a parada de embarque e desembarque mais próxima a partir da escolha; e tudo é calculado através de um algoritmo que lê as informações dos GPSs e as transforma em minutos”, explica Ojeda.

O algoritmo que permite a previsibilidade do serviço foi desenvolvido em parceria com o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe), unidade da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O trabalho foi realizado através de pesquisa de alunos do mestrado e da iniciação científica em Ciências da Computação, que se dedicaram a atender a solicitação da Federação. Nem todas as linhas cadastradas são passíveis dessa leitura. Mesmo assim, é possível fornecer os resultados devido à sólida base de dados formada pelas informações fornecidas pelas empresas. Como há momentos em que ocorrem problemas de ordem técnica das telefonias, a Fetranspor criou uma base de histórico de um ano para gerar o cálculo e manter o serviço funcionando durante esses curtos intervalos de instabilidade, com total confiabilidade.

Foto: Arquimedes Martins

Trecho a trecho

O monitoramento da velocidade do veículo é feito a cada 30 metros e a avaliação desse percurso proporciona maior confiabilidade e precisão na informação gerada. Particularidades da operação, como os corredores BRS, também são consideradas: “Os pontos de ônibus que atendem determinado BRS não são sequenciais e não estão na mesma quadra, mas a nossa tecnologia consegue fazer a leitura e identificar as diferenças de deslocamento. Isso também impacta nas previsões e os resultados são excelentes. O próximo passo será modifi car o site e adequá-lo às novidades, seguindo padrão muito semelhante ao do aplicativo. Esperamos que em maio essa atualização esteja concluída”, anuncia o analista de sistemas.

Ao identifi car a origem e o destino, o Vá de Ônibus, através de georre ferencionamento, mostra os veículos próximos à localização do solicitante que, sinalizada com um ícone parecido com um pequeno balão, é facilmente alterada no mapa através do toque na própria tela do smartphone. À esquerda, estão as possíveis viagens, o tempo estimado de cada percurso e as distâncias a serem percorridas. Após decidir que trajeto seguir e começar a caminhar, todas as movimentações são visualizadas em tempo real e o funcionamento do aplicativo continua até a chegada ao ponto final desejado.

 

BRT nas mãos dos usuários

Desde 2013, o sistema BRT disponibiliza aos seus usuários o aplicativo Meu BRT. Basta informar os locais de origem e de destino e, após a busca, são apresentados os serviços que podem atendê-lo no momento da consulta e em quanto tempo isso será feito. De acordo com a diretora de Relações Institucionais do BRT, Suzy Balloussier, a ferramenta foi desenvolvida para beneficiar os passageiros que querem, cada vez mais, informações em tempo real. “O BRT foi constituído como uma rede e existem várias integrações e serviços que podem ser escolhidos, pouco antes do embarque, através do Meu BRT. O desenvolvimento desse aplicativo foi facilitado pelo trabalho da Fetranspor, que deu o passo inicial ao criar o Vá de Ônibus. Isso nos permitiu ter parâmetros para modelar a nossa ferramenta”.

Cada corredor inaugurado dentro do sistema BRT possui serviços determinados. Durante a operação, a equipe do BRT realiza diversos tipos de monitoramento envolvendo padrões de deslocamento e, dependendo dos resultados, os serviços existentes são modificados e outros acrescentados. Esses ajustes são feitos com a operação em curso a partir dos indicadores e tudo é disponibilizado no aplicativo.

No período dos Jogos Rio 2016, por exemplo, foram criados diferentes serviços para atender milhares de cariocas e turistas que precisavam chegar até as instalações olímpicas: Jardim Oceânico x Centro Olímpico; Jardim Oceânico x Golfe Olímpico; Vila Militar x Recreio; e Vicente de Carvalho x Centro Olímpico são exemplos de informações que estiveram no Meu BRT facilitando a vida de muita gente. O único mantido desta lista foi o Jardim Oceânico x Centro Olímpico, mais um legado do evento para a cidade.

O usuário que não possui acesso pelo dispositivo móvel pode fazer uma pesquisa prévia no site do BRT, no planejador de viagens. É uma ferramenta com interface diferente, mas que funciona de maneira semelhante. E através de uma comunicação automática, quem possui o aplicativo também se mantém informado sobre as atualizações da página oficial do sistema, pois as notícias, os horários de funcionamento das estações e os mapas de serviço lá hospedados são absorvidos pelo Meu BRT.

©Copyright Fetranspor 2017 | Todos os direitos reservados.