Home » Matérias » Programa de Acessibilidade capacitará 14 mil motoristas até setembro

Programa de Acessibilidade capacitará 14 mil motoristas até setembro


Edição nº 105

6/05/2019

A Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro, o Sest Senat, os sindicatos Rio Ônibus, Setransduc, Setransol, Setranspas, Setrerj, Sindpass, Sinterj e TransÔnibus e cerca de 100 empresas de ônibus intermunicipais deram início, em outubro do ano passado, ao Programa de Acessibilidade. Trata-se de ação educacional, criada para atender à portaria 1.421, do Detro, de 18 de setembro de 2018, que exige a capacitação e certificação de motoristas de ônibus das linhas intermunicipais, na operação de plataformas elevatórias veiculares e no atendimento ao cliente com mobilidade reduzida. O objetivo do Programa é orientar e reforçar os procedimentos de segurança para a utilização dos elevadores de acessibilidade, e a meta é certificar 14 mil motoristas intermunicipais até setembro de 2019.

Na primeira etapa do Programa de Acessibilidade, logo após a publicação da Portaria, 295 profissionais, indicados pelas empresas, pelo Sest Senat e pelos sindicatos, foram capacitados pelos fabricantes de elevadores para atuarem como agentes autorizados. Ou seja: educadores responsáveis pelo treinamento e preparação dos motoristas quanto ao manuseio correto dos elevadores de acessibilidade dos diversos modelos e marcas e suas particularidades. Atendendo à Norma ABNT NBR 15646:2016, a capacitação foi feita pelos fabricantes FocaBraun, Ortobrás e Palfinger. Os agentes autorizados receberam informações e orientações sobre cuidados na operação dos elevadores e possíveis riscos para motoristas e passageiros.

Foto: Divulgação / Auto Viação Reginas

Além disso, 216 desses agentes autorizados também tiveram aulas de técnicas pedagógicas, ministradas pelo coordenador do Programa, João Rodolfo, analista de Projetos Educacionais do setor de Desenvolvimento Organizacional da Federação. O objetivo foi a padronização dos treinamentos, bem como a preparação desses educadores, para que pudessem repassar o conteúdo aos motoristas da melhor forma possível. “Com a primeira fase, conseguimos padronizar esse tipo de capacitação em todo o Estado do Rio de Janeiro, pois os próprios fabricantes explicaram a forma correta do manuseio de cada tipo de elevador, os riscos de segurança etc. Para fortalecer esta uniformização, a Federação entregou aos novos agentes autorizados os materiais que deverão ser utilizados durante os treinamentos nas garagens”, explica João Rodolfo.

 

Primeiro relatório: 4.430 motoristas

Entre os agentes, 60 foram capacitados também para a utilização da PGA (Plataforma de Gestão da Aprendizagem), sistema pelo qual a Federação encaminha ao Detro, a cada três meses, os resultados do Programa. No dia 10 de janeiro passado, a entidade encaminhou o primeiro relatório, com os dados de 4.430 motoristas de ônibus treinados no período entre outubro e dezembro de 2018, já na segunda fase do Programa. “Na segunda etapa, os multiplicadores, além de atualizarem os motoristas no manuseio correto dos equipamentos, têm a oportunidade de conscientizá-los sobre a importância da acessibilidade e da melhoria no atendimento ao cliente com mobilidade reduzida”, diz o coordenador.

A cada três meses, no período de um ano, as empresas intermunicipais deverão certificar 25% do seu quadro de condutores profissionais. Para isto, elas devem: disponibilizar seus agentes autorizados para ministrarem os treinamentos (caso não disponham desses profissionais, devem procurar seu sindicato ou o Sest Senat, que estão habilitados a promoverem os treinamentos); fornecer ônibus com elevador, em todas as marcas e modelos que utilizam, para os treinamentos; elaborar a escala de trabalho dos condutores para a formação de turmas, procurando cumprir os prazos definidos na legislação, e registrar na PGA as turmas que estão ocorrendo nas garagens ou nas unidades do Sest Senat.

Até o dia 1º de setembro, os ônibus intermunicipais deverão ter um adesivo, afixado próximo à porta da plataforma, informando que seu condutor está capacitado para operar o elevador de acessibilidade. Além disso, o motorista deverá portar uma certificação, semelhante a uma carteirinha, com os dados dessa capacitação (data da conclusão, fabricante e modelo do equipamento no qual foi capacitado, responsável pelo curso etc.). Se a empresa de ônibus que atua em uma linha intermunicipal não participar do treinamento estará sujeita a multa, prevista no código disciplinar dos serviços de transporte rodoviário intermunicipal de passageiros. Também são situações passíveis de multa: motorista sem o certificado; motorista com o certificado, porém com fabricante diferente da plataforma instalada no veículo que dirige; motorista com o certificado, porém com modelo diferente da plataforma instalada no veículo que dirige; motorista com o certificado, porém que alega não saber manusear a plataforma (por motivo de esquecimento); motorista com o certificado, porém que alega não ter sido treinado.

©Copyright Fetranspor 2017 | Todos os direitos reservados.