Home » Matérias » Trajetória iniciada pelos tíquetes de vale-transporte chega a cartões de alta tecnologia

Trajetória iniciada pelos tíquetes de vale-transporte chega a cartões de alta tecnologia


Edição nº 106

17/06/2019

No ano 2005, a população trabalhadora da cidade do Rio de Janeiro teve o seu vale-transporte de papel substituído pelo cartão RioCard, após testes iniciados no ano anterior. Era uma evolução, não só no controle de fraudes que cresciam à época, como, por exemplo, a venda ilegal dos tíquetes, mas também da forma de pagamento de passagens no transporte público. Os vales em papel foram aceitos até 31 de maio de 2005 e, após esta data, apenas os cartões RioCard passaram a garantir a utilização do direito trabalhista criado por lei no final da década de 80.

A lei que estabeleceu a bilhetagem eletrônica no município do Rio de Janeiro é de 2000 – Lei 3.167, regulamentada pelo Decreto 19.936/2001. No ano de 2004, a então governadora Rosinha Garotinho instituiu a bilhetagem eletrônica em todo o Estado, pela Lei 4291. No mesmo ano, foi criada a RioCard, empresa que passaria a emitir os bilhetes e a buscar soluções inteligentes de pagamento eletrônico.

 

Arte: Riocard Mais

 

O processamento do grande volume de operações diárias e a necessidade de rapidez nas soluções dos eventuais problemas surgidos constituiu uma prova de fogo para a empresa, que adotou tecnologia de ponta e criou novos cartões, como o Expresso e o Jovem, voltado para os adolescentes, como o próprio nome indica. Em 2009, com a criação do Bilhete Único Intermunicipal, a RioCard passou a utilizar toda a experiência adquirida para atender ao governo do Estado do Rio de Janeiro na emissão e administração do benefício tarifário que permite a integração entre dois modais de transporte, em período determinado de tempo, com desconto apenas da primeira viagem.

Ao Bilhete Único Intermunicipal (aceito nos municípios de Belford Roxo, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Itaguaí, Japeri, Magé, Mangaratiba, Maricá, Mesquita, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Paracambi, Queimados, Rio de Janeiro, São Gonçalo, São João de Meriti, Seropédica e Tanguá), seguiram-se o Bilhete Único Carioca e o de Niterói, que oferecem benefícios tarifários nas integrações dentro dos municípios do Rio de Janeiro e Niterói. Em 2019, a RioCard evolui para Riocard Mais. Traz grandes mudanças e mostra como um cartão de pagamento de transporte coletivo pode oferecer muito mais aos seus clientes, em praticidade, tecnologia e benefícios.

©Copyright Fetranspor 2017 | Todos os direitos reservados.