Cartão RioCard Jogos Rio 2016 é desenvolvido especialmente para a Olimpíada e Paralimpíada

18/12/2016 | Edição Especial 17º Etransport

Sediar o maior evento esportivo do mundo foi verdadeiramente uma grande missão. Um dos desafios dos Jogos Rio 2016 foi que, diferentemente das outras edições, todos deveriam pagar para utilizar o transporte público, ou seja, não bastaria apresentar o ingresso como em outros lugares. Para atender à demanda da Prefeitura, em parceria com o governo do Estado e o Comitê Olímpico, a RioCard desenvolveu o RioCard Jogos Rio 2016, uma solução em bilhetagem para facilitar o acesso aos principais meios de transporte da cidade que levavam o torcedor aos locais das competições. O projeto foi espelhado em cartões temporais vendidos em algumas cidades da Europa.

O RioCard Jogos Rio 2016 começou a ser comercializado quase dois meses antes da Olimpíada. As ações de marketing seguiram um cronograma (antes e durante o evento) que envolveu jornais impressos, emissoras de rádio e TV e mídias online. Paralelamente, reportagens sobre a novidade, com pautas como funcionamento do cartão, formas de pagamento e locais dos pontos de venda eram feitas constantemente, somando 162 veiculações espontâneas com alcance de quase cinco milhões de pessoas. Algumas parcerias também foram fundamentais na divulgação do produto, como agências de turismo, locais de venda de ingressos, alguns hotéis através da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis; e a própria Rio 2016, que enviou e-mail para quem comprou ingresso; todos juntos focados em ajudar milhões de pessoas a circularem pela cidade de uma forma mais prática e segura.

Foto: Arthur Moura

O cartão nas ruas

As regras e o funcionamento do RioCard Jogos Rio 2016 começaram a ser discutidas no meio do segundo semestre de 2015, envolvendo os mais importa18ntes modais da cidade: metrô, ônibus municipais (exceto os rodoviários, chamados “frescões”), BRTs, trens da Supervia e VLT. Foram disponibilizadas três versões do cartão, cada uma com determinado prazo de validade (um, três e sete dias) e todas davam direito a utilizar, quantas vezes fossem necessárias, os meios de transporte durante o(s) dia(s) escolhido(s).

O design foi elaborado pelo Marketing da RioCard e aprovado pela gerência de Branding da Rio 2016. Dois dos três modelos estamparam o Pão de Açúcar e o Cristo Redentor, principais pontos turísticos da Cidade Maravilhosa. O terceiro uniu os mascotes da Olimpíada e da Paralimpíada, única peça dos Jogos com os dois juntos, pois cada um deveria aparecer apenas no seu respectivo momento, de acordo com uma determinação do evento. A exceção à regra se deu porque esta solução de bilhetagem foi criada para circular em ambas as situações.

No total, foram vendidos 927.238 mil cartões, sendo quase 60% através da equipe tática, coordenada de forma estratégica, diariamente, para cobrir todas as regiões da cidade onde aconteceram as competições. O índice de aprovação foi de 83%, somando quem considerou bom e muito bom. As opiniões que representaram a opção regular representaram 15% do total e o registro de insatisfação ficou em 2 %. Todas as áreas da empresa trabalharam, juntas, no projeto: “Foi um verdadeiro sucesso. E um dos legados mais importantes do RioCard Jogos Rio 2016 foi deixar mais sólida a relação entre a RioCard e os meios de transporte do Rio, que tiveram seus custos cobertos em sua totalidade; estamos prontos para quaisquer desafios”, avalia Melissa Sartori, gerente de Marketing da RioCard.

Comente aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *