Presidente da CNT: “O setor de transporte é fundamental para o desenvolvimento do Brasil”

10/12/2018 | Edição nº 104

Clésio Soares de Andrade é empresário de transporte e líder classista. Mineiro, natural de Juatuba, dirigiu o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte e a Federação de Transporte Rodoviário de Minas Gerais. Hoje, é presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT). Andrade é também fundador e presidente do Serviço Social do Transporte (Sest) e do Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat), entidades civis sem fins lucrativos, que têm como objetivo a profissionalização e a valorização dos trabalhadores, dos transportadores e de todo o segmento do transporte brasileiro. Na entrevista a seguir, Andrade falou sobre os 25 anos de atuação do Sest Senat no cenário do transporte brasileiro e sobre os próximos passos das entidades, bem como sobre a importância do setor de transporte no Brasil e as expectativas para os próximos anos, com o novo governo que assumirá em janeiro de 2019.

 

Revista Ônibus – Ao comemorar um quarto de século de existência do Sest Senat, como o senhor avalia a importância dessas entidades para o trabalhador do transporte?

Clésio Andrade – Em 25 anos de existência, o Sest Senat contribuiu decisivamente para a profissionalização e para a empregabilidade dos trabalhadores do setor. A instituição hoje é reconhecida por sua excelência na prestação de serviços 100% gratuitos nas áreas de desenvolvimento profissional, assistência social, lazer e cultura para os trabalhadores do transporte e seus familiares. Nesse quarto de século realizamos mais de 118 milhões de atendimentos em especialidades como fisioterapia, psicologia, nutrição, odontologia e em mais de 800 cursos de formação e de qualificação. Tudo isso teve grande impacto no desempenho dos trabalhadores e contribuiu de forma decisiva para o desenvolvimento e modernização do transporte no Brasil. Este é um sonho realizado e motivo de muito orgulho.

 

RÔ – Como presidente da CNT e dos Conselhos do Sest Senat, dentre os projetos criados durante sua gestão, qual(is) o senhor considera como o(s) mais importante(s)?

CA – Em vez de destacar um projeto, prefiro ressaltar os resultados globais que o Sest Senat alcançou nestas duas décadas e meia, graças a uma visão sistêmica do setor. Hoje, a instituição tem presença relevante na vida dos profissionais e das empresas. Aqui os trabalhadores encontram oportunidade de qualificação profissional em todos os níveis, desde as primeiras lições de direção de veículos até a mais alta credencial internacional em gestão de serviços de transporte em todos os modais. O Sest Senat dispõe de alta tecnologia em simuladores de direção, salas de aula conectadas e interativas, uma infinidade de cursos a distância e treinamentos oferecidos pelas melhores escolas de transporte do mundo. Por exemplo, nas áreas de gestão e de inovação, o Sest Senat, junto com o ITL (Instituto de Transporte e Logística), tem parcerias com importantes instituições globais de conhecimento, como as universidades Singularity e Stanford, duas instituições dos Estados Unidos, referências em tecnologia e inovação. Também temos parceria com a Embry-Riddle Aeronautical University (ERAU), maior universidade do mundo especializada em aviação, e com a renomada Deutsche Bahn, líder mundial em educação na área de mobilidade de passageiros e logística. Não posso deixar de citar a Fundação Dom Cabral, instituição brasileira mundialmente reconhecida, que já nos ajudou a capacitar mais de mil executivos em gestão de negócios.

 

Foto: Divulgação

 

 

RÔ – Como analisaria o legado que foi construído para o transporte durante esses 25 anos de atuação?

CA – Por meio do Sest Senat, formamos um corpo profissional altamente qualificado, com capacidade criativa, e comprometido com o desenvolvimento e a qualidade do transporte no Brasil. O nosso legado também inclui a integração do setor de transporte e inteligência produzida pela CNT nas últimas décadas. Hoje, temos uma gama de trabalhos técnicos consolidados, que são reconhecidos como essenciais para a tomada de decisões pelos empresários do setor e também para o diagnóstico e a elaboração de políticas públicas de transporte. A Pesquisa CNT de Rodovias está em sua 22ª edição. Hoje, avaliaDa mesma forma, elaboramos o Plano CNT de Transporte e Logística, que traz um levantamento dos projetos fundamentais para a modernização da infraestrutura de transporte no Brasil, apontando as obras prioritárias e o montante de investimentos necessários. Assim, oferecemos aos transportadores e à sociedade uma infinidade de estudos e pesquisas de alta qualidade sobre o presente e também sobre o futuro do transporte no Brasil e no mundo. Os avanços alcançados pelo Sest Senat, ITL e pela CNT são a base de sustentação para o salto tecnológico que está em andamento e que deverá revolucionar o setor transportador nos próximos anos.

 

RÔ – E quanto ao futuro? Que projetos acredita que devem ser criados/ampliados, para benefício dos profissionais do setor?

CA – Neste momento, estamos empenhados na modernização e na ampliação da capacidade operacional do Sest Senat. O objetivo é atender às demandas cada vez mais complexas do setor transportador e do País. As novas tecnologias estão avançando de forma exponencial, criando um mercado de trabalho em permanente transformação. Os trabalhadores e as empresas do setor precisam acompanhar essas mudanças e o Sest Senat continuará sendo a principal referência para a inovação e a modernização do transporte. Estamos inaugurando novas unidades operacionais em todas as regiões do país. Até o final do ano que vem, teremos 206 unidades equipadas com tecnologia de ponta para servir a um número ainda maior de trabalhadores. Vamos passar a ofertar mais de 800 cursos presenciais e a distância. A capacidade de atendimento do Sest Senat será ampliada em 30%, e tudo isso com 100% de gratuidade para o trabalhador do transporte e seus familiares. Temos o compromisso de manter os profissionais em contato com as transformações que estão ocorrendo no mundo, para que eles se desenvolvam no mesmo ritmo e conquistem maior empregabilidade. Nossa expectativa é promover o desenvolvimento permanente dos trabalhadores e contribuir para acelerar o processo de inovação no setor transportador brasileiro.

 

RÔ – Tendo contribuído, durante toda a sua vida profissional, para a melhoria do transporte e da mobilidade e para a capacitação dos trabalhadores do setor, que mensagem deixaria para os transportadores do nosso País?

CA – O Sest Senat, junto com o ITL e com a CNT, tem uma grande missão nos próximos anos. O Século 21 está apenas começando e sabemos que as transformações tecnológicas disruptivas ainda estão por vir, impulsionadas por inteligência artificial, nanotecnologia, internet das coisas, gestão compartilhada em rede, veículos autônomos, drones e outros avanços em andamento. Esse é um processo revolucionário que está alterando de forma profunda os meios de produção, as empresas e o mundo do trabalho. Os profissionais do setor transportador brasileiro precisam estar cada vez mais atualizados, cada vez mais familiarizados com as novas tecnologias e capacitados para inovar. O Sest Senat é a janela do setor transportador para esse novo mundo. O setor de transporte é fundamental para o desenvolvimento do Brasil. O que nós precisamos é superar os gargalos de infraestrutura e modernizar o Estado para atrair investimentos e dar impulso à criatividade e à capacidade empreendedora dos trabalhadores e dos transportadores. É assim que as empresas vão produzir mais e gerar emprego e renda para a população. Esperamos que o novo governo cumpra o seu papel, faça as reformas estruturantes e abra os caminhos para os investimentos privados em infraestrutura. A nossa parte estamos fazendo.

Comente aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *